Missionari Iblei

Centro Missionario Diocesano – Ragusa

Lettera dall’Amazzonia. P. Candido scrive a P. Giovanni e alla Comunitá di Salto Grande

“Enviou-os aonde Ele próprio devia ir” (Lc 10,1)

 Com a abertura do Ano da Fé, o Papa Bento XVI propõe a todos nós a celebração dos 50 anos do Concílio Vaticano II. Os Padres Conciliares lembrou-nos que a natureza e a missão da Igreja peregrina voltam-se para a missão. Assim, somos herdeiros da missão do Filho de Deus (AG, n.6).

À sombra generosa desta imagem de Igreja que nos apresenta o Concílio, temos condições de refletir, bendizer e agradecer. A reflexão profunda nos leva a lançar o olhar para além de nós; faz-nos ver e sentir a realidade com um olhar nunca igual, mas sempre aproximado ao de Deus que vê e sente com compaixão. É o olhar do discípulo atento e não indiferente.Bendizemos a Deus por sua ação no mundo e por nos chamar a tomar parte do seu desígnio e no seu Filho, assumirmos a missão de filhos, porque e assim livra-nos do perigo de nos ensimesmarmos, abrindo-nos à perspectiva da universalidade, da comunhão e da unidade. Enfim, com o coração cheio de gratidão e tomados por tão grande mistério de fé, queremos dizer obrigado a uma pessoa que acreditamos, e insistimos, em mistério, viver esta realidade.

Dizemos obrigado a você, PE. GIOVANNI BATAGLIA, que, por tantos e generosos anos, partilha conosco de sua fé eclesial e de seu ministério presbiteral, um verdadeiro Fidei Donum! Acreditamos que esta missão foi não só para si, mas para nós também, uma experiência enriquecedora, intensa e fecunda de Igreja, de irmãos e de discípulos de Jesus Cristo e, a partir de dentro, somos projetados para a outra margem de nós mesmos, da nossa cultura e do mesmo oceano. Ao voltarmos o nosso olhar para você e para aquilo que cooperaste a edificar nestes anos, convencemo-nos que o missionário traz sempre consigo, além da pregação, a presença da caridade.

Desde o coração da Amazônia e das fronteiras da floresta quero dizer a você, Pe. Giovanni,m que sinto-o como meu co-irmão no ministério de presbítero. Manifesto minha gratidão por ter sido elo de ligação entre a Paróquia de Japurá e a Diocese de Ourinhos, por ter feito ecoar no coração de Dom Salvador e dos presbíteros a necessidade de se tornar próximos de nós que estamos distantes, de partilhar da pobreza desta Igreja conosco que passamos por graves privações.

Pe. Giovanni, sempre o traremos em nosso coração e em nossas orações. Saiba q         ue, em cada Missa presidida, tenho sempre presente a Igreja de Ourinhos, onde por tantos anos dedicou sua vida e partilhou do seu ministério.

Retorne em paz e nós permaneceremos unidos a você. Tenha uma boa, feliz e serena missão, agora de volta à sua terra natal. Deus o abençoe por ter passado entre nós fazendo o bem: ao povo de Salto Grande e ao de Japurá.

Japurá/AM, 19 de janeiro de 2013

 Pe. Cândido Cocaveli, Presbítero da Prelazia de Tefé, Pároco de Japurá

Advertisements

I commenti sono chiusi.